quinta-feira, 27 de outubro de 2011

Abstinência.

Para ser bem sincera não sei direito o que vim fazer aqui, afinal, não vejo mais motivo para manter este lugar. 
Não sei explicar, mas após uma longa hora de terapia formulei uma ideia que não consigo tirar da cabeça; Não vai dar certo. E essa ideia me enche de angustia e lágrimas nos olhos. É uma sensação doída, mas diferente daquilo que sempre senti. 
É como se após uma longa noite de sono leve e prazeroso o despertador tocasse alto demais, despertando-me rápida e irritantemente, e trazendo a tona toda a realidade a qual eu me recuso a aceitar. É como se alguém tivesse jogado um piano de um prédio e ele caísse em cima de mim, atingindo-me com a mais bruta força e intensidade.
Mas mesmo assim cá estou eu, menos de dois dias depois de minha ultima postagem para dizer que mesmo não vendo razão, vou continuar.
Mesmo sabendo que minhas chances são poucas, e que não poderei contar muito com a sorte(que raramente vem ao meu encontro), não consigo parar.
Escrever nunca foi meu dom, mas é a minha escolha. É o único ponto de apoio que tenho sem me ausentar da realidade. E é isso o que vem me prejudicando.. Tenho apostado todas as minhas cartas em algo que nunca me satisfará, pois não me pertence. Além disso, não consigo pensar sem ser influenciada por alguém que, mesmo almejando o meu sucesso, me atrapalha e me pressiona o tempo todo, com seu jeito perfeccionista que não aceita ou permite nenhum erro da minha parte. Ela não consegue aceitar minha humanidade, pois a vê como pura falta de vontade.
Meu anonimato a incomoda demais e por isso ela faz questão de me humilhar e exaltar meus erros, fazendo com que pareçam ainda piores do que são. Diz para eu deletar este blog, me despedir das palavras e ir procurar o meu verdadeiro lugar, mas eu não consigo.
Preciso das palavras com a mesma intensidade com a qual eu as odeio.
Conheço o risco que estou correndo, sei que a probabilidade do meu sucesso é quase nula, mas enquanto eu não obter um resultado que supere as expectativas a ansiedade vai continuar aqui. Cada vez mais angustiante, impedindo que a minha tutora se orgulhe de quem eu sou. E eu preciso agradá-la logo, pois suas criticas estão acabando comigo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário